REINVENTANDO O PEQUENO PRODUTOR DE DADOS

O big data está fazendo surgir uma nova economia, na qual os maiores mercados não estão mais na produção de bens, mas sim na captura e no processamento de informações. Na GeoTraceability, trabalhamos para colocar os pequenos produtores no mapa e ajudar as empresas a reconhecê-los pelo trabalho que fazem em cadeias de suprimentos complexas. Então, o que interessa saber é: qual o papel dos pequenos agricultores nessas mudanças na economia? Eles serão excluídos ou haverá uma oportunidade para que eles também entrem nos benefícios desse novo mercado?

É preciso repensar o modo de envolver os pequenos produtores para evitar ecossistemas disfuncionais e não sustentáveis.  Realmente precisamos reinventar nossas estratégias. Portanto, fiz-me a pergunta: como incluir os pequenos produtores nessa nova economia emergente e garantir que eles tenham uma participação justa?

Diferentes motivos levam as várias partes interessadas a participar em projetos de desenvolvimento: aumento das receitas de exportação, proteção de suprimentos, proteção da reputação da marca, fornecimento de novos serviços financeiros, entre outros. Porém, todos eles dependem de mudanças prévias no nível dos pequenos produtores: uma mudança nas práticas de gerenciamento, um aumento da qualidade ou produtividade, um comportamento mais sustentável, adoção de tecnologia…

 

 

Então, por que não transformar o pequeno produtor em um produtor de dados e pagar-lhe por isso?   Cada pequeno produtor poderia ser um componente de um sistema de monitoramento e avaliação em outro patamar e contribuir para a análise de dados em tempo real.

Na GeoT, ajudamos as empresas a coletar dados sobre os pequenos agricultores. Muitas vezes, perguntam-nos se os dados são de nossa propriedade. A resposta é não, os pequenos produtores são proprietários de seus próprios dados.  Por meio de um formulário de consentimento, cada pessoa consente em fornecer informações pessoais, o que permite que a GeoT as armazene e disponibilize para o nosso cliente para um uso específico, informado antes de ser concedida a autorização.  A GeoT, nosso cliente e eventuais terceiros que acessem os dados devem fornecer o formulário de consentimento.

A promoção atual do blockchain está alimentando esta ideia de enriquecer com a coleta, processamento e venda de dados ou dos resultados de uma análise. Praticamente todas as semanas, alguém entra em contato comigo para propor uma parceria e usar os dados que temos armazenados sobre as centenas de milhares de pequenos produtores de todo o mundo.

A GeoT vende um serviço de software para rastrear as mercadorias e matérias-primas produzidas pelos pequenos agricultores. Mas nós também facilitamos a coleta de dados sobre seus antecedentes socioeconômicos, suas práticas, as características de seus cultivos, o apoio que eles recebem e as transações que os envolvem.

Todas essas informações têm um alto valor comercial e sustentável. Nossa plataforma pode facilmente gerenciar a quantidade de bens produzidos por cada agricultor e pode acionar diferentes formas de pagamento com base nessas informações. Da mesma forma, poderíamos acionar pagamentos com base em requisitos específicos de dados.

O desafio não é tecnológico, mas sim de mudança de mentalidade e estratégia comercial.

Um pequeno produtor dificilmente poderia esperar receber uma bonificação por vender bens georrastreáveis e fornecer dados, mas um grupo organizado de pessoas, como uma organização de agricultores ou cooperativa, certamente poderia.

Portanto, assim como temos pequenos produtores de cacau, café, óleo de palma, algodão, ouro e muitos outros, poderíamos agora pensar em ter pequenos produtores de dados?

A resposta, obviamente, é sim se quisermos uma economia verdadeiramente inclusiva na qual o crescimento e a riqueza sejam em benefício de todos.